terça-feira, 8 de abril de 2008

UM EPISÓDIO

(Reconhecimento das várias chamadas a qualquer hora da noite, antes, após e durante a estada desta indidualidade)



Faz para o mês que vem 31 anos que o Vice-presidente dos U.S.A. visitou Portugal. Fui a pessoa nomeada pela IBM, responsável pela instalação e assistência de todo o equipamento IBM a instalar e outros trazidos pelo staff do visitante, no Hotel Ritz.

A segurança na entrada naquele Hotel , como calculam, era enorme, não passava um alfinete que tivéssemos agarrado ao nosso vestuário.

Um dia, fui chamado às 04horas da “matina”, por um equipamento que teimava em não arrancar.

Pego na minha ferramenta, depois da interrupção de um sono profundo e na minha boa vontade, lá vai ele até ao Hotel Ritz.

Ao chegar ao Hotel qual o meu espanto, mesmo depois de me identificar e explicar o motivo da minha ida, inclusivamente dar o nome da pessoa de contacto, o Marina de serviço ao passar por mim com o detector de metais de imediato pega-me pelo braço chama outros Marines pelo intercomunicador gerando-se ali uma confusão.. só via Marines armados até aos dentes, levam-me quase de rastos para uma sala pequenina, confiscando-me de imediato a mala de ferramenta. Passados quinze minutos, sozinho naquela sala, e à média luz que para mim pareceu-me 15 horas, aparece o chefão dos Marines cheio de medalhas ao peito, parecia-me mais um antiquário ambulante, a fazer perguntas que me lembrava os tempos da pide. Após 5 minutos de interrogatório, aparece então o Embaixador acompanhado de outro Marine onde transportava a minha mala de ferramenta, queria lembrar-me do nome dele ??... não vem...Cuja pessoa conhecia-me bem, por várias vezes ter ido dar assistência ao equipamento que tinha no seu gabinete, na Duque de Loulé e na Residência Oficial, a pedir-me imensa desculpa pelo ocorrido, e a explicar qual razão porque foi aquele excepcional procedimento. Era então, que tinham recebido um telefonema anónimo de que estaria uma bomba no Hotel. Não ganhei para o susto, como podem calcular.


Os CE’s sofreram...........



E o resultado de todas estas tropelias, foi a oferta de este diploma que aqui apresento, que por acaso encontrei no sotão dentro do meu baú das recordações.

2 comentários:

mreis disse...

bela historia Julio! o embaixador seria o Frank Carlucci?

Júlio Branco disse...

Olá Manel,
Ainda há pouco, falei em ti aqui, se estavas também interessado em te juntares num almoço no próximo dia 18, vieste mesmo a propósito, e que tal apareces? inscreve-te.
Obrigado por me avivares a memória. Era sim o Frank Carlucci.
Depois de editar o blog lembrou-me do nome, mas já não pude readitar, ou ainda não descobri como corrigir um blog após a edição do mesmo.
Um grande abraço amigo Reis.